Home SeçõesConsumidor Novos comportamentos de consumo: como as marcas devem agir

Novos comportamentos de consumo: como as marcas devem agir

De Administrador SH
0 Comente

Especialistas concordam que analisar os perfis e sentimentos dos consumidores para 2023 abrirá oportunidades infinitas para as marcas

As sociedades estão mudando e, com isso, há novas dinâmicas de consumo. É por esse motivo que os especialistas de marketing devem se antecipar aos novos hábitos dos consumidores para criar fidelidade, conteúdos mais valiosos e focados nas novas tendências para 2023. 

Neste sentido, os especialistas de marketing da another, realizaram o webinar Emerging Consumer Behaviours” para explicar as previsões dos futuros perfis dos consumidores nos próximos anos. Veja alguns insights apresentados nesse evento.

Um olhar sobre o futuro do consumo

Os perfis dos consumidores estão se transformando rapidamente, por isso é recomendado se antecipar às mudanças e explorar as futuras necessidades da sociedade, o que abrirá oportunidades para as marcas. 

Os especialistas indicaram que existem novas estruturas sociais que afetam o padrão e as prioridades de consumo das famílias. Além disso, convidaram as marcas a ouvir as emoções dos consumidores. Por exemplo, a quarentena causou traumas que fizeram com que as pessoas agora tomem decisões e comprem coisas baseadas no seu conforto emocional. “Hoje, para sermos relevantes, precisamos focar nas emoções. O atributo funcional é algo que as próprias pessoas tomam como certo e, por isso, devemos agregar à sua vida e ao seu equilíbrio emocional”, explicou Mariana Carreón. 

Neste sentido, o estudo O custo da vida: Estados emocionais dos consumidores, da WGSN mostra que a ansiedade econômica, a crise na cadeia de abastecimento global, a inflação, entre outros fatores, dificultam a entrada de marcas na vida dos consumidores, o que aumenta a incerteza, fazendo com que 73% das pessoas se sintam ansiosas com a crise, e 81% com altos níveis de estresse. 

Por outro lado, agora os consumidores têm novas formas de criar suas famílias, o modelo da “família tradicional” já não é predominante, e as novas mudanças populacionais mostram que hoje há mais pessoas solteiras e casais sem filhos, uma tendência que vai crescer ainda mais nos próximos 20 anos. Segundo a pesquisa Euromonitor: Novo panorama do consumidor. Uma visão global, a previsão de crescimento no período de 2021-2040 é que serão 30% de lares com filhos, 39% de casas com uma pessoa só e 31% de casais sem filhos, estes últimos ultrapassando o modelo tradicional com uma soma de 70%. 

A evolução da sociedade tende a responder a impulsos culturais que vem se moldando pelo panorama macroeconômico mundial, os quais englobam seis conceitos: a economia do cuidado, onde os consumidores buscam cuidar da sua mente, emoções e corpo; a internet de tudo que está relacionado à simbiose entre a web e a realidade; a consciência global que está intimamente ligada à mudança de nossos hábitos para conter os fatores que desencadearam as mudanças climáticas; as novas narrativas, que buscam a reconstrução social, reescrevendo regras políticas, sociais e econômicas para exigir mudanças; direto ao essencial; e a criatividade, esse último conceito sendo a chave da resolução de problemas, já que os consumidores se concentram em encontrar fugas criativas que os estimulam de diferentes maneiras.

Os novos perfis dos consumidores 

Os especialistas da another explicam que existem novos perfis de consumidores, divididos da seguinte maneira:

  • Controladores: eles buscam ter o maior controle das situações. São coerentes e tendem a fazer compras inteligentes. Uma estratégia para atingir este nicho é por meio de decisões baseadas em dar-lhes certeza sobre suas compras e garantir que haja valor agregado no que estão consumindo.
  • Construtores de laços: são seres comunitários. Podem compartilhar um serviço de streaming com a família ou até comprar propriedades compartilhadas. Buscam um mundo melhor e, para chegar como marca até estas pessoas é necessário uma estratégia que as envolvam, para que possam sentir que há um valor a mais na marca.
  • Criadores de memórias: estes observam o tempo como um valor máximo, buscam experiências no agora e na nostalgia do passado. As marcas podem focar em uma estratégia baseada na riqueza do tempo, pois procuram acumular momentos e recordações.
  • Otimistas tecnológicos: este consumidor quer novas experiências, tanto no espaço físico como no digital. São motivados pela internet das coisas e administram a tecnologia com perfeição. As marcas podem chegar a estes perfis por meio de momentos “digitalizáveis”.
     

Por fim, os especialistas digitais defendem que o aumento do custo de vida, o acúmulo de emoções e a presença digital terão uma evidente transformação nos perfis, onde haverá fatores a serem levados em consideração, como os anteriormente citados.

Leia Também

Super atualizada. Hiper Conectada

Publicação oficial da  Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS)

Sobre

SuperHiper é a publicação oficial do setor supermercadista, produzida pela Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS) há 48 anos. É uma importante ferramenta utilizada pela entidade para compartilhar informações e conhecimento com todas as empresas do autosserviço nacional, prática totalmente alinhada à sua missão de representar e desenvolver os supermercados brasileiros.

Siga-nos

@2024 – SuperHiper. Todos os direitos reservados.