<< Voltar pra Home

Negócios



Mercado de vinho aquece rapidamente mesmo antes da entrada do inverno nesta terça-feira

19 de junho de 2022
 - 
10:10
 - 
Bruno Marcon
Featured image for “Mercado de vinho aquece rapidamente mesmo antes da entrada do inverno nesta terça-feira”

Vinícolas de todo o país comemoram as vendas após a flexibilização da pandemia e a volta das reuniões sociais

O inverno ainda nem começou, e as baixas temperaturas das últimas semanas já foram suficientes para aquecer o mercado de vinhos. No embalo das safras mais recentes, que se destacaram pela qualidade, a comercialização da bebida é alavancada pelo frio, que tem sido um aliado especialmente para o produto de fabricação nacional.

O vinho tem sido a bebida escolhida pelos brasileiros para harmonizar com os pratos quentes, típicos desta época do ano.

— O frio nos faz comer algo mais quente, e o vinho tinto acaba se encaixando superbem na harmonia com esses alimentos — afirma Daniel Panizzi, diretor da União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra).

O empresário, que é diretor da vinícola Don Giovanni, de Pinto Bandeira, afirma que a chegada do frio também impulsionou o enoturismo na Serra Gaúcha.

E projeta um crescimento de 20% a 25% na comercialização, em comparação com o inverno do ano passado.

O diretor super-intendente da Vinícola Aurora, Hermínio Ficagna, cita outros fatores que elevam o otimismo do setor em meio às baixas temperaturas. Um deles é o fato de que, neste ano, o frio marcou presença mais cedo em outras regiões do país, como o Sudeste, que é um grande consumidor.

Nesta época do ano, a preferência é pelos vinhos tintos, enquanto o branco e o rosé costumam ser associados às estações mais quentes. Na Aurora, o tinto responde por 80% da preferência durante a estação mais fria do ano. Ficagna atribui o índice ao hábito do consumidor, que o considera mais “encorpado”. Para as empresas, atrelar o vinho a alimentos consumidos nesta época, como massas e caldos para sopa, é uma estratégia de venda.

— O frio é um grande aliado para o nosso setor — resume Ficagna.

O entusiasmo é reforçado pela grande presença de público na 17ª Fenavinho e 30ª ExpoBento, em Bento Gonçalves, no último final de semana. Quase 100 mil pessoas passaram pelo local. O evento se encerra neste domingo.

O cenário de otimismo ocorre em meio a uma tendência de crescimento. A percepção do segmento é de que a pandemia impulsionou o consumo de vinhos. A bebida foi a escolhida pelos brasileiros para o consumo dentro de casa, no período em que as famílias permaneceram confinadas. Tanto que, segundo a Uvibra, a barreira dos 2 litros per capita por ano foi rompida em 2021, chegando a 2,7 litros no Brasil.

A opção pelo produto nacional tem sido favorecida pela taxa de câmbio. Dados da Uvibra apontam que houve uma expansão de 11,43% dos vinhos finos em 2021, comparado ao ano anterior.

Segundo os representantes do segmento vitivinícola, o consumidor pode esperar por um produto de excelência em 2022. As últimas três safras nacionais foram marcadas pela qualidade (a de 2020 é considerada a “safra das safras”).

Um obstáculo ao crescimento, porém, tem sido a falta de garrafas, em razão da pandemia. Para atender à demanda, vinícolas estão recorrendo à importação de países como Chile e Egito.

Fonte: Danton Boatini Júnior e Gise Loeblein, GZH


Compartilhar:
Image

Últimas Notícias



Image

Bem-estar é nova tendência dos supermercados americanos

Estudos mostram que essa pode ser uma oportunidade para produtos de marca própria e serviços digitais Por Renato Müller Os…
Image

Grupo Carrefour Brasil lança gôndola com produtos feitos na Amazônia

Iniciativa exclusiva e em rede nacional, programa “Floresta Faz Bem” incentiva a venda de produtos produzidos por povos indígenas e…
Image

Casas de apostam investem R$ 550 milhões em camisas de clubes

Conhecidos como Bets, movimentam o mercado brasileiro e valorizam os times do país Com permissão para atuar no País desde…
Image

DM adquire carteira de clientes da Credz

Com a aquisição, a empresa amplia atuação, cresce em novos segmentos, e alcança mais de 3 milhões de lares brasileiros…