<< Voltar pra Home

Negócios



Souk e Clubbi conectam a indústria ao mercadinho

16 de junho de 2021
 - 
21:34
 - 
Redação SuperHiper
Featured image for “Souk e Clubbi conectam a indústria ao  mercadinho”

Startups viabilizam o escoamento do estoque das fábricas e acesso do varejo de bairro a melhores preços e prazos

Com a tecnologia viabilizando relações comerciais com menos intermediários, as startups que apostam na ponte entre a indústria e o pequeno varejo estão nadando de braçada. As negociações começaram com produtos perto do vencimento, com o intuito de resolver um problema de escoamento dos fabricantes e de chegar ao comércio de bairro com preços mais acessíveis ao mesmo tempo.

A Souk, que hoje negocia também itens longe do prazo de validade de parceiros como Seara e Nestlé, já intermediou R$ 514 milhões em seus três anos de existência, transacionando mais de 50 mil toneladas de produtos. Por enquanto, a maior parte dos clientes fica no nordeste do país, responsável por 44% das vendas — fato que o CEO Roberto Angelino Filho atribui à complexidade e carências da logística na região.

Já são mais de 22 mil pequenos varejistas, como mercadinhos e pizzarias, cadastrados na plataforma da startup. A negociação ocorre em sistema de leilão holandês: a fábrica estabelece um preço base para os produtos e os comerciantes oferecem lances mais baixos. A oferta mais vantajosa, leva o carregamento.

“Somos um marketplace 24/7, que promove encontro entre oferta da indústria e demanda do varejo. O grande diferencial é a possibilidade de negociar o preço”, resume o CEO da Souk.

De forma semelhante, a Clubbi, uma investida do fundo Canary, ajuda esse mesmo público a descobrir e testar produtos não perecíveis de atacadistas e de fornecedores como Richester, Vitarella, Adria e M. Dias Branco, indicando os que têm mais saída em estabelecimentos similares e trabalhando com agendamento de entregas.

Como funcionam ininterruptamente, sete dias da semana por 24 horas, conseguem maior volume de negociações. Isso porque o pequeno empreendedor precisava esperar uma visita do vendedor autorizado, agora pode repor o estoque de forma mais reativa. Quase 30% dos negócios fechados na plataforma da Souk, por exemplo, ocorrem fora do horário comercial.

Quando lançaram o MVP da Clubbi no fim do ano passado, os fundadores, João Macedo, Marcos Adler e Alexandre Farber, a ideia era resolver o problema de isolamento e dependência do pequeno varejo.

“Para esse público, existe dificuldade de integração, de controlar o estoque. Como o pequeno varejista vai estar presente no mundo online, divulgando seus produtos em apps de entrega? Estamos resolvendo uma dificuldade anterior, ajudando a se conectarem com o mundo”, afirma Macedo.

O modelo de negócio difere um pouco, mas as duas cobram um fee das transações fechadas na plataforma. Enquanto a receita da Clubbi vem também da cobrança de serviço dos varejistas (há uma taxa de entrega de R$ 15), na Souk, a aposta é vender inteligência de dados para a indústria — com relatórios sobre o comportamento do varejo e insights sobre com o otimizar vendas.

Para divulgar o serviço, a Clubbi, que está nos estágios iniciais de vida, decidiu ir de porta em porta. “Entendemos que muitas funcionalidades ainda precisam ser desenvolvidas nessa experiência de compra digitalizada e estar próximo dos clientes nos permite saber o que funciona e o que não funciona”, afirma Macedo.

O desafio para as companhias agora é aumentar o relacionamento com fabricantes e diversificar o portfólio de produtos. A Souk, por exemplo, quer entrar no mercado de pets. Na Clubbi, a aposta é também oferecer outros serviços, como gestão de estoque e precificação para, assim, fazer parte do dia a dia do pequeno comerciante.

O aporte da Canary na Clubbi, em abril do ano passado, veio acompanhado de capital de investidores anjo, como os CEOs da Hashdex, Marcelo Sampaio, e da Lexter, Pedro Jahara. A Souk ainda opera com capital próprio, mas não deixa de ouvir propostas de M&A e investimentos. “Se fizer sentido e encaixar com o que a gente pensa em termos de expansão, ninguém é contra”, diz Angelino Filho.

Fonte: Por Luiza Ferraz e Manuela Tecchio, Pipeline/ Valor


Compartilhar:
Image

Últimas Notícias



Image

Rede Dia estuda saída do Brasil devido a impacto negativo de suas contas

“Estamos avaliando diferentes opções estratégicas; não há nenhuma decisão tomada até o momento, mas será decidida ao longo do ano”,…
Image

Grupo Bahamas anuncia construção da sua segunda loja em Ituiutaba (MG)

“Estamos muito felizes em expandir nossa presença nessa cidade que tem um grande potencial de crescimento e que nos acolheu…
Image

SP: Sonda reinaugura loja no Boavista Shopping

Novo conceito empregado no estabelecimento proporciona maior experiência de compra, tornando-a mais confortável e agradável Seguindo com seu plano de…
Image

Páscoa: Lacta reforça portfólio para presentear com caixa de variedades comemorativa

Favoritos, Sonho de Valsa e Ouro Branco ganham edições especiais, com frases que expressam sentimentos Presentear é um dos atos…