<< Voltar pra Home

ESG



Embalagem flexível de papel já substitui o plástico

1 de junho de 2022
 - 
21:57
 - 
Redação SuperHiper
Featured image for “Embalagem flexível de papel já substitui o plástico”

Companhia investiu R$ 13 bilhões em expansão fabril para produção de opções sustentáveis que já são vistas nas lojas

Se a alta da inflação e dos juros reduz a demanda por embalagens, a Klabin aposta na tendência de substituição do plástico pelo papel em embalagens — que ganhou força na pandemia — como um dos caminhos de crescimento do negócio. Desde o ano passado, a companhia lançou pelo menos seis tecnologias em papel que emulam qualidades que fazem grandes marcas preferirem o plástico em produtos que vão do “pack” de cerveja ao tablete de tempero. A estratégia está no centro de um investimento de R$ 12,9 bilhões em expansão fabril. 

— A pandemia foi uma virada de chave. O e-commerce impulsionou a procura por embalagens recicláveis, e os consumidores puderam ver o volume de plástico acumulado em casa, sobretudo com o delivery. O que aconteceria em 2026, em termos de substituição, aconteceu em 2020 e 2021 — explica Flávio Deganutti, diretor de negócio de papéis da Klabin. 

Uma das inovações que a marca acaba de criar é o Klamulti, uma celulose microfibrilada — espécie de “cabelo descabelado” — que torna o papel-cartão 10% mais leve e começou a ser usada em embalagens “multipack” de cerveja. Em três meses, a celulose já foi usada na produção de mil toneladas de papel-cartão.

— Por ora, vendemos para uma marca de nicho, mas é uma solução que tende a ser adotada por gigantes como Heineken e Ambev. 

Este mês, a Klabin também lançou o EkoFlex, seu primeiro papel para embalagens flexíveis. A ideia é empregá-lo em stand up pouchs, aqueles sacos que ficam de pé sozinhos e costumam ter fecho zip lock

Obstáculos 

A substituição do plástico pelo papel é tema central da conversa da Klabin com seus investidores. Em recente apresentação institucional, a fabricante estima que a tendência vai responder por um terço do crescimento da demanda mundial por papel-cartão até 2030. 

Segundo Deganutti, essa é uma das justificativas para o Puma II. Maior investimento da história da Klabin, o projeto vai consumir R$ 12,9 bilhões e criar duas novas fábricas no Paraná. A primeira entrou em operação em 2021 e foca no Eukaliner, primeiro papel para embalagem feito 100% de eucalipto e mais leve. A segunda unidade está prevista para 2023. 

Mas a transição tem obstáculos importantes. Primeiro, as novas soluções precisam ganhar escala para se aproximar do preço do plástico. Desafio maior é a própria limitação tecnológica. A Klabin ainda está tentando desenvolver “barreiras” para líquido e oxigênio nas embalagens que eliminem 100% o uso de plástico, por exemplo. E Deganutti admite que “o momento é de estresse econômico, o que torna mais difícil priorizar a sustentabilidade.” 

— Mas a clareza sobre as vantagens da cadeia do papel sobre a do plástico sustenta nossa visão de futuro para o mercado de embalagens — pondera.

Fonte: Capital, O Globo


Compartilhar:
Image

Últimas Notícias



Image

GO: com foco na experiência do cliente, Bretas inaugura espaço diferenciado

O Varanda Bretas é mais uma iniciativa pensada para ampliar o serviço da rede em prol dos clientes Com o…
Image

Sainsbury’s fecha acordo para reforçar foodservice em suas lojas

Rede britânica de supermercados faz parceria com a Costa Coffee para desenvolver operações store-in-store em supermercados Renato Müller A rede…
Image

Redes fazem processo seletivo para novas inaugurações

Serão 1400 vagas disponibilizadas pela Rede Assaí para todo País e 140 posições para a segunda loja Komprão de São…
Image

Pós-NRF’24 ABRAS: Conteúdo é estímulo e gera venda

Em palestra, Alberto Serrentino sinaliza ao público que a informação está mudando a forma de comprar Na última terça-feira, 20,…