<< Voltar pra Home

ABRAS



Consumidor prioriza e-commerce com entrega ultrarrápida

30 de janeiro de 2022
 - 
21:01
 - 
Bruno Marcon
Featured image for “Consumidor prioriza e-commerce com entrega ultrarrápida”

Pesquisa da Capterra constatou que os millenials são mais suscetíveis a trocar a loja em razão do tempo do delivery

As entregas ultrarrápidas, ou quick commerce (q-commerce), já fazem parte dos critérios utilizados pelos consumidores na hora de escolher produtos online. Mais de dois terços (73%) das pessoas que compram pela internet consideram esse tipo de serviço relevante, superando até mesmo os fatores preço e atendimento. O dado foi levantado pelo Capterra, plataforma de comparação de softwares do grupo Gartner, e revelado a Pequenas Empresas & Grandes Negócios.

Foram entrevistadas 1.063 pessoas que costumam comprar online, em todo o país, no último mês de novembro, antes da Black Friday – período em que grandes varejistas precisaram rever o discurso de “entrega mais rápida do país”, questionado pelo Conselho de Autorregulamentação Publicitária (Conar). Apesar de ser um critério importante, a falta de uma entrega rápida ainda não afugenta os clientes da loja. Apenas 25% disseram trocar de vendedor de acordo com a velocidade de entrega – entre millennials esse índice é maior, chegando a 27%. Segundo Marcela Gava, analista responsável pelo estudo, não foi seguida nenhuma definição oficial sobre o conceito de entrega ultrarrápida, mas a ideia é considerar algo que possa ser medido em minutos.

O Capterra pontua que a flexibilidade do consumidor pode estar ligada ao fato de que o quick commerce está longe de ser dominante entre as lojas de comércio eletrônico no Brasil: das nove categorias analisadas pelos entrevistados, cinco chegam a demorar mais de cinco dias para entregar os produtos comprados.

“O estudo do Capterra demonstra que o tempo de entrega está alinhado ao tipo de mercadoria e sua finalidade. Portanto, é necessário que os varejistas conheçam as características de seus produtos para poder organizar uma operação logística rápida e eficiente”, diz Gava.

Medicamentos e produtos farmacêuticos, em geral, costumam chegar mais rápido, em até uma hora, segundo 34% dos respondentes. Itens de supermercado vêm em seguida, indicados por 30%. Já produtos de casa e decoração e eletroeletrônicos são apontados como os que mais costumam demorar. Quase a totalidade dos consumidores (95%) gostaria que os prazos diminuíssem.

Para acelerar as entregas, 38% disseram pagar por serviços de assinatura que ajudam a reduzir o prazo, como o Prime, da Amazon. Para compras avulsas, no entanto, a maioria não está disposta a desembolsar nenhum valor para acelerar a entrega. A exceção está na categoria de eletrônicos, na qual 50% relatam topar pagar entre 5% e 10% a mais para receber o produto antes.

O serviço de entrega influencia a satisfação de 56% dos consumidores. Até mesmo para a seleção de um fornecedor, cerca de 64% são influenciados, em algum grau, pelo tempo de entrega oferecido pela loja.

Apesar de ser um fator relevante, a indisponibilidade de entrega super-rápida não é o fator de maior descontentamento dos clientes com as lojas. O que mais desagrada em termos de frete são as altas taxas (38%), seguido pelo atraso no serviço logístico (26%).

Essa necessidade de uma entrega mais veloz veio na esteira da pandemia, que fez com que o comércio eletrônico ganhasse mais visibilidade. De acordo com a pesquisa, 66% dos consumidores compram mais agora em lojas online do que compravam antes de 2020. Em relação à logística, 41% disseram que esperam pagar menos pela entrega dos produtos com o aumento da frequência de compras, e 40% passaram a esperar que os produtos cheguem no mesmo dia.

O Capterra lembra que varejistas estão se mexendo para atender a essa demanda. A Amazon, por exemplo, inaugurou três centros de distribuição em dois meses, nos estados do Rio de Janeiro, Pernambuco e Ceará. O Mercado Livre também abriu dois centros de distribuição em São Paulo e Minas Gerais para reduzir o tempo de entrega na região. O Rappi passou a criar dark stores com o objetivo de armazenar produtos e entregar mais rápido. Na outra ponta, startups de logística têm feito a cabeça de investidores e empresas, com o intuito de ajudar a reduzir prazos de entrega.

Fonte: Revista PEGN


Compartilhar:
Image

Últimas Notícias



Image

Paganini amplia portfólio com novas massas

Produzidas, conforme a autêntica tradição italiana, entre os lançamentos, o Nhoque de Batata é um dos grandes destaques A Casa…
Image

#AjudaSul: setor supermercadista segue contribuindo em prol do RS

Empresas de todo o País continuam apoiando o povo do sul; você empresário, participe também dessa grande ação, faça a…
Image

Neugebauer lança embalagem em apoio ao Instituto Floresta

Novidades trazem QRCode que leva para doações ao projeto, que vem promovendo diversas ações para reconstrução do Estado A Neugebauer,…
Image

CEO do Grupo Carrefour Brasil fala sobre as chuvas no Rio Grande do Sul

Stéphane Maquaire comentou sobre congelamento de preços em virtude da tragédia no RS e o processo de integração das novas…