<< Voltar pra Home

Negócios



Cade mantém aprovação da operação entre BRF e Marfrig

21 de outubro de 2021
 - 
02:16
 - 
Bruno Marcon
Featured image for “Cade mantém aprovação da operação entre BRF e Marfrig”

Empresas mostraram novos dados sobre a produção e a concentração de mercado no setor alimentício  

Depois de apresentar um despacho no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) pedindo a reabertura da análise da compra de ações da BRF pela Marfrig, a conselheira Lenisa Prado mudou de posição e desistiu da reavaliação. Os demais conselheiros acompanharam Lenisa e, com isso, ficou mantida a aprovação do negócio, que havia sido dada pela Superintendência-Geral do Cade no fim de setembro.

Na semana passada, a conselheira apresentou um despacho pedindo que a operação fosse analisada pelo tribunal do Cade. Pelas regras do Cade, a Superintendência-Geral – área responsável por investigações e instruções de processos – pode aprovar operações que entenda não oferecer riscos à concorrência.

Um conselheiro, no entanto, pode apresentar despacho, em até 15 dias, pedindo para que o processo “suba” para o tribunal e seja analisado por seus integrantes. O pedido tem que ser aprovado pela maioria do tribunal para que o caso seja reaberto.

Na sessão desta quarta-feira, porém, Lenisa disse que, após reuniões com advogados das partes e a apresentação de novos dados e documentos, entendeu que a operação não oferece riscos ao mercado. “Houve esclarecimentos das questões concorrenciais”, completou.

No dia 21 de maio, a Marfrig realizou a compra de ações ordinárias da concorrente, atingindo participação de 24,23% do capital social, ou 196,869 milhões de papéis. Dias depois, em 3 de junho, a empresa comprou mais ações da companhia por meio de opções e em leilões realizados em Bolsa e chegou a uma participação de 31,67%.

A Marfrig irá se tornar o maior acionista individual da BRF, com o segundo maior acionista, a Fundação Petrobras de Seguridade Social (Petros), tendo uma participação de 7% após a operação.

Há duas semanas, o Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa do Consumidor (Ibedec) entrou com recurso para tentar reverter a decisão da superintendência. A entidade diz que a transação esbarra no risco de fechamento do mercado de hambúrgueres, o que em sua avaliação deve prejudicar concorrentes e consumidores.

“É uma pauta importante aos consumidores. Em um país já pressionado pela inflação, concentrar mercado representa risco grave à cadeia econômica como um todo”, diz um trecho da petição enviada na sexta-feira, 8, ao tribunal administrativo do órgão antitruste.

Fonte: Por Fabiana Futema, 6 Minutos


Compartilhar:
Image

Últimas Notícias



Image

Satisfação do consumidor em abril atinge 77,95% na região Centro-Oeste

Indicador INSV-Consumidor acompanha as manifestações dos clientes a respeito das suas experiências nos supermercados Em abril, o Índice Nacional de…
Image

#AjudaSul: Grupo Comercial Villa Simpatia adere ao “SOS Rio Grande do Sul”

Campanha incentiva venda de produtos gaúchos para contribuir com a recuperação da economia local Para ajudar os produtores do Rio…
Image

Hummer cria nova identidade visual em homenagem ao Time Brasil

Marca centenária lançou uma edição especial com o logo em comemoração ao patrocínio aos Jogos Olímpicos de Paris 2024 A…
Image

WhatsApp: Prezunic anuncia novas funcionalidades para compras no app

Clientes podem enviar imagens de listas escritas à mão, fotos de produtos ou solicitar os itens por voz O Prezunic…