<< Voltar pra Home

Economia



Pix Cobrança dá seus primeiros passos

18 de maio de 2021
 - 
04:22
 - 
Redação SuperHiper
Featured image for “Pix Cobrança dá seus primeiros passos”

Alternativa ao boleto bancário, nova modalidade do Pix substitui o código de barras por QR Code e permite cobranças para pagamento futuro

O Pix Cobrança, alternativa ao boleto bancário, começou a dar os primeiros passos no País. A possibilidade de o Pix contar com uma opção de pagamentos futuros era vislumbrada desde que o sistema foi criado e essa nova modalidade abre as portas para esse tipo de operação. O serviço funciona como uma espécie de boleto bancário, só que baseado em QR Code no lugar do tradicional código de barras. A liberação deste serviço aconteceu no dia 14 de maio.

Até agora, o Pix permitia apenas que QR Codes fossem gerados para pagamento imediato — para compras em uma farmácia, por exemplo. Com o Pix Cobrança, o pagamento pode ser realizado em uma data futura, ou seja, a operação passa a ter data de vencimento ou pode ser agendada.

Empresas podem emitir o Pix Cobrança como fatura de contas ou para compras em estabelecimentos comerciais. Neste último caso, a modalidade pode ser útil para uma loja que vende a prazo, por exemplo: em vez do cartão de crédito, o cliente pode receber um Pix Cobrança para efetuar o pagamento até determinada data. Além do valor a ser cobrado, o Pix Cobrança permite inserção de informações como juros, multa por atraso e descontos para pagamento antecipado.

Com isso, a modalidade passa, de fato, a ser uma alternativa ao boleto bancário, só que mais prática: o boleto pode levar até três dias úteis para ser compensado; no Pix, esse procedimento é praticamente instantâneo.

Mas atenção: por estar numa fase de transição, até 30 de junho de 2021, as instituições participantes do Pix são obrigadas apenas a possibilitar leitura de QR Code para pagamento na mesma data. As empresas que aderirem ao Pix Cobrança só serão condicionadas a oferecer pagamento com data futura, ou seja, a permitir que o pagamento seja agendado, a partir de 1º de julho.

O Banco Central garantiu esse tempo para que as instituições possam ter tempo para adequar os seus sistemas a todas as nuances do Pix Cobrança.

O Pix, que acaba de completar 6 meses de operação, registra uma alta adesão e os dados mais recentes do Banco Central dão conta de 1 trilhão de transações no período, movimentando R$ 951 trilhões.

Até o mês passado, o sistema de pagamentos instantâneo tinha 82 milhões de pessoas físicas e 5,4 milhões de pessoas jurídicas cadastradas. Entre as pessoas físicas, 73% dos cadastrados usaram o Pix pelo menos uma vez. Entre as pessoas jurídicas, a adesão chegou a 85%.

Com informações da Agência Brasil e Tecnoblog


Compartilhar:
Image

Últimas Notícias



Image

Smart Market ABRAS 2024: participe do Prêmio Profissionais do Ano

As inscrições estão abertas até 01 de março; o prêmio visa reconhecer os melhores especialistas em alta performance do setor…
Image

Rede St. Marche aposta em experiência para se destacar no mercado de vizinhança

Para Bernardo Ouro Preto, CEO da companhia, o consumidor do varejo alimentar tem buscado cada vez mais esse tipo de…
Image

Minalba expande o seu portfólio de importadas das linhas Perrier, S. Pellegrino e Acqua Panna

Com as novas opções de embalagens, consumidores terão ainda mais variedade de escolha no momento da compra Após um ano…
Image

Alemã Aldi testa loja autônoma nos EUA

Localizado próximo ao QG da rede em Illinois, conceito evita que clientes escaneiem códigos de barras, mas não funciona 100%…