<< Voltar pra Home

Negócios



 O poder da informação na Black Friday

9 de outubro de 2022
 - 
21:07
 - 
Bruno Marcon
Featured image for “ O poder da informação na Black Friday”

O processo começa na qualidade dos detalhes passados ao cliente e se segue pela logística e o pós venda

Todo o ecossistema do comércio já se prepara para a maratona da Black Friday deste ano. Desde o planejamento e a gestão de produção e expedição dos produtos até sua chegada ao varejo, tudo tem de estar pronto para aproveitar esse momento. O setor do varejo, físico ou digital, espera essa oportunidade para regular possíveis desequilíbrios em sua balança durante o ano. Com um consumidor mais bem informado e exigente, as lojas precisam estar atentas a algumas estratégias importantes.

Vamos a algumas delas, com ênfase para o e-commerce, já que essa é a modalidade que mais ganha projeção, principalmente depois das mudanças comportamentais provocadas pelo distanciamento na pandemia. É que o mostra o relatório Webshoppers Ebit Nielsen 2022, que soma 88,7 milhões de brasileiros comprando online em 2021. Ou seja, hoje o público confia no e-commerce.

A primeira estratégia é a qualidade da informação dos itens oferecidos. A inteligência em todo o processo de identificação de produtos e na logística satisfatória aos clientes se inicia no momento do cadastro dos produtos de forma padronizada. E a padronização mais usada em todo o mundo é a EAN/GTIN, no Brasil atribuída pela Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil.

A partir dessa identificação global de todos os itens, as lojas têm a garantia de que os mecanismos de busca com base no Search Engine Optimization (SEO) darão prioridade a suas ofertas, que contam com dados precisos e detalhados. Portanto, a precisão dos dados é o início do bom resultado. Além de aumentar a visibilidade nos buscadores na internet, a boa informação evita erros de classificação dos itens ou mesmo o anúncio de um produto e venda de outro.

Depois dessa etapa de classificação e identificação precisa de todos os produtos oferecidos, a segunda estratégia das lojas é garantir que seu estoque esteja provisionado para a demanda da campanha de vendas que vão iniciar. Caso contrário, podem frustrar os consumidores durante o processo, o que derruba a credibilidade do seller.

Nada melhor do que uma boa negociação com os fornecedores para conquistar preços atrativos ao público e garantir a disponibilidade do estoque de acordo com a demanda de pedidos. É um passo importante para começar a corrida da concorrência. Essa é uma das estratégias mais conhecidas do varejo, mas que ainda é das mais eficientes para o sucesso das vendas.

Outra estratégia importante para o seller conquistar a confiança do consumidor — e aumentar a possibilidade de completar a transação — é ter equipes de atendimento dimensionadas para a demanda e o nível de interesse do público. Dirimir dúvidas do interessado em tempo hábil e demonstrar segurança na informação que está passando é um caminho interessante para quem está vendendo e cativa quem está comprando. Esse procedimento vale também para as equipes responsáveis pela expedição, logística e o pós-venda. Faz parte do atendimento aprimorado ao cliente e do cumprimento de prazos – Service Level Agreement (SLA, nível de serviço).

Encantar o cliente, afinal, não se esgota no momento da venda. Acompanhar a logística de entrega — a gratuita é a que mais influencia a decisão do consumidor — e o cumprimento das condições estabelecidas na negociação garante que a relação entre as partes se fortaleça. Entregas atrasadas, extravios ou produtos danificados destroem todo trabalho e investimento feito anteriormente. O pós-venda se completa com um time de atendentes preparados para responder dúvidas e solucionar todas as questões que mantenham o cliente engajado e satisfeito.

Não desprezar a inovação é a próxima atitude a ser observada. O consumidor espera experiências mais imersivas para conhecer bem os produtos e decidir pela compra. Quem oferecer mais atrativos nesse sentido sairá na frente. Então, ser criativo e aproveitar tudo o que estiver ao alcance proporcionado pela tecnologia é uma vantagem competitiva.

Um bom começo é experimentar promoções impulsionadas nas redes sociais que levem o comprador a clicar no link do marketplace. Estima-se que hoje que 83% dos brasileiros utilizam o WhatsApp, por exemplo, como ferramenta para compra de produtos e contratação de serviços, segundo pesquisa da consultoria Accenture. Já o Sebrae traz dados de que 67% dos pequenos negócios estão vendendo por meio de plataformas digitais.

Na mesma linha da inovação, deve-se estar atento à omnicanalidade e à interação com o consumidor. Para não perder vendas, a interface da loja deve ser funcional e amigável em qualquer dispositivo. O ambiente virtual em que o comprador vai interagir deve atraí-lo com a mesma facilidade e agilidade tanto em um computador de mesa quanto em um smartphone. Criar ferramentas e soluções simples para cada passo da jornada do consumidor é o caminho mais eficiente para efetivar as vendas.

Fonte: Ricardo Aranha, executivo de negócios da Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil


Compartilhar:
Image

Últimas Notícias



Image

Paganini amplia portfólio com novas massas

Produzidas, conforme a autêntica tradição italiana, entre os lançamentos, o Nhoque de Batata é um dos grandes destaques A Casa…
Image

#AjudaSul: setor supermercadista segue contribuindo em prol do RS

Empresas de todo o País continuam apoiando o povo do sul; você empresário, participe também dessa grande ação, faça a…
Image

Neugebauer lança embalagem em apoio ao Instituto Floresta

Novidades trazem QRCode que leva para doações ao projeto, que vem promovendo diversas ações para reconstrução do Estado A Neugebauer,…
Image

CEO do Grupo Carrefour Brasil fala sobre as chuvas no Rio Grande do Sul

Stéphane Maquaire comentou sobre congelamento de preços em virtude da tragédia no RS e o processo de integração das novas…