<< Voltar pra Home

Negócios



Negócios da Solar, engarrafadora da Coca-Cola, recebem aporte de R$ 650 milhões

2 de fevereiro de 2022
 - 
19:23
 - 
Redação SuperHiper
Featured image for “Negócios da Solar, engarrafadora da Coca-Cola, recebem aporte de R$ 650 milhões”

Companhia busca novas aquisições, principalmente na região Centro-Oeste do país

A Solar Bebidas, segunda maior fabricante e engarrafadora da Coca-Cola no Brasil, tem conseguido crescer mesmo com as adversidades da pandemia. Em 2021, aumentou o faturamento em 11%, para R$ 9,8 bilhões, já considerando a incorporação do Grupo Simões, negócio anunciado há sete meses e que lhe permitiu entrar no Norte do país.

O plano para este ano é investir R$ 650 milhões, um salto de 30% em relação ao ano passado, e continuar pesquisando oportunidades de aquisições, em especial no Centro-Oeste.

“Acredito que a Solar, no seu papel de agente consolidador, tem ainda um caminho a trilhar. Há outras fabricantes no Centro-Oeste que constituem oportunidades para aumentarmos a captura de sinergias”, disse ao Valor o presidente da Solar, André Salles. Antes do negócio com a Simões, a Solar atuava em toda a região Nordeste, no Estado de Mato Grosso

Salles lembrou que o movimento de consolidação do setor não é algo novo. No Brasil, disse, há 40 anos eram 55 fabricantes que atendiam à Coca-Cola. Hoje, são sete. A própria Solar surgiu da consolidação de três grandes engarrafadoras, em 2013: Renosa, Norsa e Refrescos Guararapes. A Coca-Cola tem 27,5% da Solar, e o restante está dividido entre o Grupo Calila e as famílias Mello (Grupo Renosa) e Simões. “Esse movimento de consolidação é algo que perpassa o sistema Coca-Cola em todo o mundo”, diz o executivo.

Com a incorporação, a Solar atende agora 70% do território brasileiro, com uma população de cerca de 80 milhões na região. A Solar fica com 13 fábricas e 44 centros de distribuição, atendendo cerca de 370 mil pontos de venda. A Solar emprega 15 mil pessoas, considerando os 3 mil da Simões.

No mercado brasileiro, a empresa está atrás apenas da mexicana Femsa, a maior fabricante do sistema Coca-Cola no mundo. Com a conclusão do negócio com o Grupo Simões, a Solar saltou de 15ª maior fabricante global para a posição de número 13.

A Solar tinha um plano de abrir o capital na B3, em uma oferta secundária (com os recursos captados indo para os acionistas vendedores de ações). Essa operação seria feita antes da incorporação da Simões, mas a piora na economia fez a Solar desistir por ora do plano.

“Nós, junto com dezenas de outras empresas, acabamos desistindo por não ser o momento adequado em função das condições de mercado. Em uma eventual oportunidade, quando o mercado estiver favorável, queremos retomar a oferta pública”, disse o executivo.

A Solar viu seu faturamento crescer nos últimos três anos. Em 2021, atingiu receita de R$ 9,8 bilhões, alta de 11% na comparação com 2020. O Ebitda (lucro antes de juros, s, depreciação e amortização) consolidado foi de R$ 1,2 bilhão em 2021. Por ano, a empresa produz 2,7 bilhões de litros. A empresa tem agora 1,4 mil caminhões próprios.

Os planos para este ano incluem investimentos de R$ 650 milhões, um crescimento de 30% na comparação com o ano passado. Os aportes se concentram na modernização dos equipamentos e fábricas, frota e custos com a operacionalização do a incorporação do Grupo Simões.

Tocar o negócio, entretanto, não tem sido fácil. A alta dos preços de insumos, como pet e lata, assim como a depreciação do real aumentam os custos e ajudam a afastar o consumidor, que está com menos dinheiro no bolso. Mesmo assim, o executivo afirmou que a empresa tem conseguido ampliar Market share e margem.

“No ano passado conseguimos, através de mecanismos de hedge, contornar esse componente inflacionário e repassar [o aumento de custo para o preço final] abaixo da inflação. Para este ano, teremos de praticar um aumento de preço em linha com a inflação”, disse.

Um desafio adicional tem sido tocar a operação em meio ao aumento de casos de covid-19 e de influenza. Segundo Salles, atualmente os afastamentos por licença médica rondam os 4% dos funcionários. Na segunda onda, que atingiu o país entre março e abril de 2021, essa fatia chegou a quase 7%.

Fonte: Cristian Favaro, Valor


Compartilhar:
Image

Últimas Notícias



Image

Rede Dia estuda saída do Brasil devido a impacto negativo de suas contas

“Estamos avaliando diferentes opções estratégicas; não há nenhuma decisão tomada até o momento, mas será decidida ao longo do ano”,…
Image

Grupo Bahamas anuncia construção da sua segunda loja em Ituiutaba (MG)

“Estamos muito felizes em expandir nossa presença nessa cidade que tem um grande potencial de crescimento e que nos acolheu…
Image

SP: Sonda reinaugura loja no Boavista Shopping

Novo conceito empregado no estabelecimento proporciona maior experiência de compra, tornando-a mais confortável e agradável Seguindo com seu plano de…
Image

Páscoa: Lacta reforça portfólio para presentear com caixa de variedades comemorativa

Favoritos, Sonho de Valsa e Ouro Branco ganham edições especiais, com frases que expressam sentimentos Presentear é um dos atos…