<< Voltar pra Home

Lojas



Confiança do comércio cresce com melhora nas vendas

29 de junho de 2021
 - 
19:10
 - 
Redação SuperHiper
Featured image for “Confiança do comércio cresce com melhora nas vendas”

Continuidade do bom humor do empresário caminha lado a lado com a evolução da pandemia, diz FGV

Impulsionada pela melhora nas vendas no varejo, o Índice de Confiança do Comércio (Icom) subiu 2 pontos em junho, para 95,9 pontos, informou nesta terça-feira a Fundação Getulio Vargas (FGV). A alta mensal, a terceira consecutiva, mesmo em meio à pandemia, levou a confiança do comércio ao maior patamar desde outubro de 2020 (95,8 pontos). O economista da FGV Rodolpho Tobler, alerta, entretanto, que a sustentabilidade do bom humor do varejista depende da evolução da pandemia.

Na prática, o comerciante não está confiante em relação à melhora no número de casos e de óbitos por covid-19 nos próximos meses. O surgimento de novas variantes da doença, mais transmissíveis, torna mais cauteloso o empresariado do setor, que não tem certeza da sustentabilidade de vendas em um cenário de piora da crise sanitária, acrescenta Tobler.

Ao detalhar a falta de confiança do empresariado quanto ao futuro, o economista cita como exemplo a evolução dos dois sub-indicadores componentes do Icom. O Índice de Situação Atual (ISA) subiu 9,3 pontos de maio para junho, para 104,2 pontos – o maior patamar de pontuação desde outubro de 2020 (105,1 pontos) e o primeiro resultado acima de 100 pontos do ano, quadrante favorável do indicador. Em contrapartida, o Índice de Expectativas (IE) caiu 5,6 pontos, para 87,6 pontos no mesmo período, notou o técnico.

“Creio que estamos em uma situação parecida com a do início do terceiro trimestre do ano passado”, observa o economista, que lembra que, na época, uma ligeira melhora dos números de casos e de óbitos por covid-19, além de pagamento de auxílio emergencial em valor de R$ 600, elevou vendas do comércio e, por consequência, a confiança do empresariado do setor.

“O volume de vendas reagiu, na época, e depois veio uma frustração”, diz Tobler, recordando a piora da pandemia nos últimos meses de 2020, bem como pagamento de auxílio emergencial cortado pela metade no quarto trimestre. Esses fatores desaceleraram ritmo de vendas no setor, pontua.

Lembrar o que ocorreu no ano passado faz com que o comerciante seja mais cauteloso esse ano, avalia Tobler. O economista comenta que outros países vivem um período de grande incerteza, com avanço da variante Delta, originada da Índia, conduzindo a novos casos da doença. Ele não descarta possibilidade de o mesmo ocorrer no Brasil.

Para que o Icom continue a subir em horizonte de longo prazo, o especialista cita como condição sanitária ter pandemia finalizada ou pelo menos minimamente controlada, além de melhora nos cenários político e econômico.

O especialista comenta o atual ambiente de incerteza política e, no contexto macroeconômico, diz ser preciso uma retomada mais robusta no mercado de trabalho para aumentar o nível de consumo, visto que o valor do auxílio emergencial nesse ano é menor, em torno de R$ 150. “Mas acredito que a pandemia é o principal fator, é o primeiro fator” de influência na alta do Icom, diz. “Com a pandemia mais controlada, todos fatores mais dependentes [em economia e em política] tem mais clareza de trajetória.”

Por Alessandra Saraiva, Valor


Compartilhar:
Image

Últimas Notícias



Image

Smart Market ABRAS 2024: participe do Prêmio Profissionais do Ano

As inscrições estão abertas até 01 de março; o prêmio visa reconhecer os melhores especialistas em alta performance do setor…
Image

Rede St. Marche aposta em experiência para se destacar no mercado de vizinhança

Para Bernardo Ouro Preto, CEO da companhia, o consumidor do varejo alimentar tem buscado cada vez mais esse tipo de…
Image

Minalba expande o seu portfólio de importadas das linhas Perrier, S. Pellegrino e Acqua Panna

Com as novas opções de embalagens, consumidores terão ainda mais variedade de escolha no momento da compra Após um ano…
Image

Alemã Aldi testa loja autônoma nos EUA

Localizado próximo ao QG da rede em Illinois, conceito evita que clientes escaneiem códigos de barras, mas não funciona 100%…